sábado, 7 de dezembro de 2013

Fazer da existência uma experiência estética


Allan Kaprow: Woman licking jam off a car

Preferir a sua à qualquer companhia.
Ter coragem para discordar, inclusive, dos seus pares.
Mesmo muito a fim, desistir de transar se isso for contra a sua autopreservação.
Não se culpar pela casa desarrumada em períodos de trabalho intenso.
Responder educadamente a ataques.
Fazer da existência uma experiência estética.
Estabelecer relações de coleguismo com seu pais.
Despedir-se sem enfatizar a tristeza.
Não deixar de fazer algo por falta de companhia.
Deleitar-se com as tantas possibilidades sexuais além da penetração.
Usar as roupas que quiser, sem encanar com o que elas realçam ou escondem.
Fazer da existência uma experiência estética.
Perdoar (a si, principalmente).
Dizer com todas as letras e diretamente para x(s) envolvidx(s) quando algo te fere.
Não desculpar-se se não houver motivos.
Desculpar-se quando houver motivos.
Empreender o exercício da tolerância.
Fazer da existência uma experiência estética.
Evitar o convívio com aquelxs que você não pode tolerar.
Abandonar discussões quando elas se tornarem uma questão de "ganhar" ou "perder".
Dizer palavrões cotidianamente.
Não gritar a não ser por felicidade ou contentamento.
Fazer da existência uma experiência estética.
Empenhar-se em aceitar o tempo dxs outrxs.
Agir de acordo com o seu tempo.
Ter SEMPRE uma boa playlist ao alcance.
Mover o corpo por puro prazer.
Arranjar tempo e maneiras de "fazer nada".
Empenhar-se em não participar de maus comentários sobre alguém ausente.
Presentear-se de quando em quando com sua comida preferida.
Fazer da existência uma experiência estética.
Oferecer ajuda.
Aceitar ajuda.
Dormir quantas horas quiser ao menos uma vez por semana.
Fazer da existência uma experiência estética.
Chorar quando essa for a única maneira de livrar-se da angústia.
Manter contato regular com quem você gosta, mesmo à distância.
Masturbar-se.
Assistir ao nascer e ao por do sol.
Ter em quem confiar.
Não ressentir-se se alguém prefere não estar contigo.
Fazer da existência uma experiência estética.
Visitar lugares, culturas e hábitos que não os seus.
Devolver o que tomar emprestado.
Não falar enquanto estiver irritadx.
Manter-se curiosx.
Não faltar ao comprometer-se com algo.
Fazer da existência uma experiência estética.
Num diálogo, olhar para a pessoa com quem conversa.
Desconfiar dos discursos pacíficos.
Agradecer.

6 comentários:

Douglas Tomaz disse...

Que maravilha!

Anna Kuhl, diga kil disse...

Lindo!

Marcos Daniel disse...

Nem vou perder meu tempo procurando palavras. Estou profundamente emocionado e provocado. Parabéns!!!

rick disse...

Estou realmente encantado com vc....!!! Parabéns ...!!! Até quem sabe um dia...bjs.

petrucia finkler disse...

que lista! amei!!!! e fazer da existência uma experiência estética é a glória absoluta do viver. Afinal, para que outro propósito estaríamos nós aqui nesse planeta lindo se não para desfrutar, desfrutar e deixar-se invadir pelas captações dos sentidos e as trocas possíveis entre o eu, o outro e o tudo.

Trajano Amaral disse...

Oi, adorei o post, claro que pensando como foi absurda a tal da expulsão do aluno que você contou. Ainda estamos presos em mentiras morais que nos obrigam a mentir essas falsidades e impedir a liberdade.

Trabalho com teatro e sei como são essas coisas... enfim... se quiser me visitar...

trajanoamral.blogspot.com.br

www.closeformacaoartistica.com.br